sábado, 30 de setembro de 2017

Números!

Aeroporto de Lisboa - Quando a Helena fugiu
para não ser vista acompanhando um tipo

com flores ao pescoço... :-) 
No passado dia 10 de Setembro, concluí em Tenby, País de Gales, o meu 4º Ironman. Depois de na minha segunda experiência - no Iberman, ter enfrentado condições extremas, com temperaturas a chegar aos 45Cº, desta vez houve que enfrentar chuva e vento, muito vento.
 
Contudo, tal não impediu que a prova me tivesse corrido bem. Tão bem que alcancei a segunda posição no meu Agegroup [50-54] e ganhei o almejado Slot para o Campeonato do Mundo Ironman 2018, em Kona, no Hawaii. Como gosto de dados e da sua análise, partilho alguns que considero interessantes.
 
A preparação oficial começou no dia 07 de Novembro de 2016. Fiz desde então 486 treinos durante os quais, aproximadamente, nadei 392Km, pedalei 8.865Km e corri 972Km.




Dados interessante sobre a prova

A dureza do prova galesa fica atestada pelo facto de só 85% daqueles que iniciaram a competição a terem concluído. Terminaram 1476 homens - 136 no meu Agegroup), tendo a minha marca 11h07'06" sido a 128ª - 2ª do Agegroup. Relevo para o segmento de corrida, onde fiz a melhor marca do Agegroup e a 60ª absoluta.
 

Coach Paulo Conde
À saída da água era 27º. Acabei o ciclismo na 10ª posição. E recuperei mais 8 lugares na corrida. Ao Km25 estava dentro da zona da slot, no Km 31,6 no pódio e no 35,4Km no segundo lugar, mas longe da liderança.

Pela primeira vez, em cerca de 20 anos de triatlo, competi com um agasalho. Sim, um casaco de ciclismo de meia-estação sobre o equipamento de competição e ainda umas biqueiras de neoprene sobre os sapatos de ciclismo. Optei também por gastar mais algum tempo na T1 e secar o tronco e vestir um top de competição seco. Estar o mais tempo possível confortável durante o ciclismo foi importante.







Fisioterapeuta Armando Jorge

Agradecimentos

Desde Agosto de 2014 que tenho andado com uma lesão no calcâneo que se afigura crónica. Depois de muitos médicos e de muitas tentativas terapêuticas, a solução veio através do Dr. João Paulo d'Almeida e do Fisioterapeuta Armando Jorge. Provavelmente, sem a ajuda deles não teria conseguido reunir as condições para correr como necessário e, sobretudo, para passar a linha de meta sem qualquer queixa. Fica o reconhecimento pela sua extrema competência e amizade.
 
Uma palavra especial para o Paulo Conde - Academia Ironconde, pela amizade e pelo planeamento do treino, que encaixou de forma perfeita no objectivo que havíamos delineado. Muito obrigado.

Melhor era impossível. O ponto alto de 2017, o objectivo da época, sempre foi o Ironman. Conseguimos não perder o foco com outras participações desportivas, que sempre considerámos como peças importantes no planeamento, mas secundárias enquanto resultado desportivo. Fiz o sprint de Quarteira - por sinal, a única prova onde não cheguei ao pódio (4º); o Half de Setúbal; olímpico no Sabugal, seguido da estafeta super-sprint no dia seguinte; o sprint de Oeiras; o Half de Lamego; e finalmente o Ironman Wales. Ainda havia pensado estender a época até ao Iberman, mas decidimos - o Paulo Conde e eu, ficar por aqui e descansar de uma época desgastante... especialmente quando já não se vai para novo :-)
 
 

Coca-Cola - a bebida que consumi
durante o segmento de corrida

Agradecimentos também à Rita, ao João e ao Pedro que, para além de partilharem muitos quilómetros de treino, estiveram presentes em Gales ajudando em pequenos e imperceptíveis detalhes que me mantiveram focado naquilo que realmente importava. A Rita e o João pela segunda vez! :-)

Para os Masters da Natação do SAD, que servem de cenoura nos treinos matinais de natação (eu nunca chego a conseguir alcançar as cenouras)...

Para a Cristina e Matt que tão bem nos recebem no seu Abbey Cottages, em Talley Abbey, que serve de quartel-general  nos dias em que por lá estamos.

Para o Lamego e Caldeirão que foram os restantes portugueses em prova, lutando com bravura contra o dragão galês. Estou certo que numa próxima os tendões do Lamego não causarão problemas e, também, que o Caldeirão conquistará a desejada slot que, infelizmente, desta vez lhe escorregou entre os dedos. Quem sabe, ainda para 2018... :-)
 
Obrigado e em 2019 lá teremos que lá voltar. O prometido é devido! :-)



E podem ver como estava o vento naquele dia...

mywindsock cycling weather

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Trabalho de equipa!

É aqui onde se nada... com a maré cheia
Não fazemos nada sozinhos! Cada vez mais as coisas dependem do trabalho de equipa e da confiança e cumplicidade entre os elementos dessa equipa. Foi assim comigo e com o Paulo Conde e isso permitiu-nos esta conquista.
Havia gostado tanto do Ironman Wales que, este ano, decidi voltar. Gosto do local, do ambiente e das pessoas. Gosto do local abrigado onde se nada, gosto do desafiante percurso de ciclismo e do exigente segmento de corrida.


Saundersfoot... Com 22%
O clima... bem... temos mesmo de falar sobre isso? O clima é britânico e, por isso, o tempo pode ser qualquer coisa. Desta vez, o dia de prova foi dia de temporal, com chuva e vento forte, a rondar os 50 Km/h. Um mimo para as rodas de perfil alto.

O dia começo cedou. Começa sempre cedo no Ironman. Cerca das 07h00, depois de cantado o hino galês na praia, com uma moldura humana impressionante, foi dada a partida. Mar calmo, água a bater nos 18ºC e sem chuva. Na segunda volta o mar ficou um pouco alteroso, mas sem dificuldades de maior. Havia partido na zona da 1h00. O segmento foi um pouco longo - 4.000m e acabei com cerca de 1h09.
A transição em Wales é longa. Tem 1Km de corrida, facto pelo qual é permitida a utilização de sapatilhas no mesmo. Cumprida a transição em 15 longos minutos lá me fiz à estrada, a encaixar o ritmo e a esconder-me do vento frontal que nos acompanharia nos primeiros 30Km.

Foi nessa altura, na zona costeira e desabrigada de Angle que começou a chover. Chuva essa que se manteve, quase em permanência, até final do segmento. Pelo meio o rompe pernas característico da região e a passagem em alguns troços de estreitas estradas rurais, com rajadas a surgir de entre as quebras entre muros. Épico!

Não vale a pena gastar energia a lutar contra o vento. Optei por adoptar um pedaleio tranquilo no limite superior da minha zona competitiva, na expectativa de chegar saudável para poder correr decentemente.

E assim acabou por acontecer. Rapidamente percebi que estava confortável a correr e apenas controlava o regime cardíaco nas zonas de subida, para não entrar em abusos. Ia em bom ritmo e ganhando posição atrás de posição. Aliás, acabaria por realizar a melhor corrida do meu escalão.


À entrada da última volta veio a informação: se mantivesse o ritmo a slot estava garantida e o pódio à espreita. E assim foi. Deu mesmo para abrandar nos 2Km finais, uma vez que as diferenças de tempo não davam azo a preocupações, tanto para a frente, como para trás.

Em suma, uma prova bem conseguida e um objectivo alcançado. Ou mesmo superado, porque, para além da dita slot, não é todos os dias que se consegue um pódio numa prova do circuito Ironman.





Registo final: 2º do Agegroup [50-54], 131º da Geral
  • Natação: 01:09:07 (27º do Escalão)
  • Ciclismo: 06:12:21 (7º do Escalão)
  • Corrida: 03:26:35 (1º do Escalão)
  • Final: 11:07:06 (2º do Escalão)
Não vivia com a obsessão de ganhar uma slot para o IM Hawaii. Mas, não nego que tinha o desejo de um dia o conseguir. Foi no Domingo passado, numa prova que gosto muito, com os meus amigos presentes, debaixo de difíceis condições. Estou contente!

Fotos do João Serôdio

  






segunda-feira, 17 de julho de 2017

Satisfeito!

 
Ontem foi dia de Triatlo de Oeiras. Ou, por outras palavras, foi dia de aligeirar a carga que tenho aplicado nos últimos tempos...

O Triatlo de Oeiras é uma das provas mais antigas do calendário nacional. Talvez por isso, e pela proximidade de casa será, porventura, a prova em que mais vezes competi. Ainda me lembro de, há uns bons anos, ser dos últimos a sair da água, envergando um discreto fato de jet-ski amarelo...

Sempre considerei o triatlo de Oeiras uma prova para nadadores na qual, por esse motivo, nunca teria grandes hipóteses. Apesar desse julgamento, já lá consegui subir ao pódio algumas vezes, e ontem foi mais um desses dias, com a segunda posição no escalão V3.


Logo me calço...
Mais do que a satisfação pela classificação, a satisfação pela prestação, apesar de bem carregado, sobretudo no dia anterior.



O dia começou pelas 06h00 da manhã, pois decidi ir de bicicleta para o local da prova. Check-in e preparativos feitos com a maior das calmas, aquecimento na água e assistir à partida feminina, 10' antes da nossa.

Verificava-se alguma corrente que puxava no sentido do forte. Por isso mesmo decidi partir o mais à esquerda possível, com a trajectória bem aberta. Talvez a tenha aberto em demasia mas, mesmo fazendo mais uns quantos metros, nadei tranquilo e a influência da corrente foi positiva, num dos meus melhores registos de sempre 11'30".


corrida final
Ia com ganas de fazer o ciclismo a fundo e sempre na frente do grupo a puxar. Fi-lo, para aí até alcançar o 3º grupo que seguia à minha frente. Depois, apesar de andar sempre pelos lugares da frente acabei por ir dividindo as despesas com outros atletas. O melhor registo de sempre em Oeiras, com média de 40,6Km/h.

A corrida final foi a possível face às circunstâncias. Já houve dias melhores. Ontem não deu para melhor do que 3'50"/Km e não deu para acompanhar o meu amigo e colega de equipa Paulo Lamego. Espero que dê para em Wales fazer uma boa maratona!



Pódio V3
No final, 95º absoluto em 415 atletas, 2º V3 com 1h04'15".

Próximo: Half de Lamego. E quinze dias depois... IM Wales!

Fotos da Rita Ramos, do João Silva e da Clarisse Henriques




sábado, 1 de julho de 2017

De novo no Pinhal Central


Desta vez não escrevo muito. Os trajectos do treino estavam definidos. Passavam por Góis, por Castanheira de Pêra e por Pedrógão Grande. A tragédia assolou a região no fim-de-semana anterior. Em dúvida até quase ao dia, acabámos por manter a actividade, ainda que com alteração dos percursos.

Sábado
  • Treino de natação em águas abertas, na albufeira de Castelo de Bode, entre as margens do Trízio e Rio Fundeiro.
  • À tarde treino regenerativo de ciclismo, com o que quer que isso signifique quando andamos a trepar rampas de 13% e acabamos na subida de Cambas.
Domingo
  • 128Km de rompe-pernas a Nordeste de Oleiros. O video ilustra porque é esta a melhor zona do país para pedalar...

terça-feira, 6 de junho de 2017

Longínqua, agreste, mas fantástica

Falo do Sabugal, cidade do Distrito da Guarda bem juntinho à Serra da Malcata que, no passado fim-de-semana recebeu uma jornada dupla de triatlo. No Sábado, prova na distância Olímpica (1,5; 40; 10) Km, no Domingo, tempo para uma daquelas que deixa a boca a saber a sangue, de tão rápida que é (0,3; 10; 2) Km.

Início do segmento de ciclismo com o João Serôdio
Apesar de ter iniciado o segmento de natação com alguma dificuldade, consegui encontrar um ritmo confortável e cumprir a distância em cerca de 27' a morder os calcanhares aos meus colegas de equipa.

Esta melhoria traduziu-se em ter conseguido fazer o segmento de ciclismo quase na íntegra com o meu colega de equipa Paulo Lamego e outro atleta do Sporting de Espinho. A parceria funcionou na perfeição e permitiu-nos cumprir os 40Km com média superior a 34Km/h. Excelente se considerarmos a orografia da zona, bem recortada.


A partilhar o pódio com o antigo atleta olímpico
de Pentatlo Moderno - Manuel Barroso
O segmento final seria sempre uma incógnita. Como reagiria eu à pouca carga que tenho colocado na corrida? Ainda que algo longe dos meus melhores desempenhos, geri da melhor forma e pude acabar com um registo de cerca de 41' mas, e este é o ganho maior, sem que as mazelas me tivesse apoquentado. A ver vamos se a coisa está bem encaminhada.

video
No Domingo integrei a estafeta de Veteranos, juntamente com o Silva e o Lamego, tendo ficado com o último percurso. Uma distância que não é de todo apropriada para atletas do nosso escalão etário, agravado pelo facto de treinarmos para distâncias muito superiores, disputadas a ritmos bem distintos. Éramos terceiros a escassos segundos do segundo lugar quando recebi a estafeta. Consegui ganhar essa posição durante o segmento de natação mas, fui mais lento na transição e aí comprometi, irremediavelmente, qualquer expectativa de lutar pela classificação. Comecei a correr com cerca de 200m de atraso, o que era impossível de recuperar em apenas 2Km. Assim, restou-me aconchegar um pouco o ritmo para uma toada confortável, apenas para cumprir a distância.

Em meados de Julho haverá mais. Será em Oeiras.

Fotos e videos da Rita Ramos, Ricardo Silva, Triatlo Portugal

terça-feira, 2 de maio de 2017

Beliscão no planeamento... por uma boa causa, chamada Estrelita!

Algures entre Gonçalo e Seixo Amarelo (Guarda)
Não era bem isto que tinha no meu planeamento. Mas, uma ida tão perto da grande serra não se pode desperdiçar e, como tal, lá fui limpar as pernas à Estrela.


Aproveitando uma deslocação à Guarda levei a bicicleta e dois tracks alternativos, porque a meteorologia não estava de todo favorável para brincadeiras na montanha. Assim, a minha primeira opção seria Guarda, Covilhã, Torre, Manteigas, Guarda, enquanto uma segunda hipótese rumava aos lados de Sortelha e Sabugal, em cotas mais baixas e, como tal, menos expostas.


Fonte Paulo Luís Martins
Verifiquei também que a minha capacidade de persuasão anda pelas ruas da amargura. Pois... Não consegui convencer uma alma que fosse para me fazer companhia e lá acabei por ir a solo.

Saí da Guarda com chuva, com frio, e com muito, muito vento. Pensei ir até Belmonte e, caso se mantivesse a intempérie voltaria à Guarda. O regresso seria a subir e logo aqueceria. Felizmente, quando cheguei a Belmonte, o sol espreitava. Sequei e continuei para o segundo objectivo: Covilhã. Mais uma vez pensei que, se estivesse mau no alto, regressaria pelo mesmo caminho.


Mas o sol raiava na Covilhã e, no alto, apesar das nuvens, a coisa não parecia assim tão agreste. Comecei a escalada para a Torre de forma tranquila. Tão tranquila como os meus andamentos 39*25 me permitiam. O vento fazia-se sentir cada vez mais e a cerca de 3Km das Penhas da Saúde uma rabanada quase me atirava ao chão. Como se não bastasse surgia o segundo furo do dia e o stock de câmaras de ar, de remendos e de bombas de CO2 estava nas últimas.


Acabei por remediar o furo. Tinha pneu mas com muito pouca pressão, o que aumentava a dificuldade de pedaleio. Mais, o vento estava frontal e fortíssimo e, para não destoar, as nuvens sobre a Torre tinham cor de chumbo. Pois... a Torre ficaria para outro dia. Conheço relativamente bem a serra e, se aos 1600m estava assim, aos 2000m seria um verdadeiro Inferno.

O vale glaciar do Zêzere

Desse modo, em Piornos virei de imediato para Manteigas e comecei a descida para o coração da Estrela de forma tranquila, pelo vento, pelo frio e pelo pneu dianteiro que não inspirava confiança. Foi sempre a descer até Vale de Sameiro, em estrada irrepreensível.

Virei na direcção de Gonçalo e de Seixo Amarelo, por estradas que não conhecia, mas que me encheram as medidas. Ausência de tráfego, pavimento impecável, vistas assombrosas.


Não foi exactamente o que tinha planeado para este treino. Mas, dadas as vicissitudes do dia, acabou por ser um excelente treino mental, na superação de todas as dificuldades que foram surgindo: o vento, a chuva, o frio, as avarias mecânicas. E o Ironman precisa tanto destas coisas... :-)

Em Sevilha outra vez!

Estavam cumpridos 93Km de ciclismo
Sevilha é logo ali e gosto do Half que lá se faz. Portanto, foi o segundo half no espaço de 15 dias.

O Half de Sevilha tem a particularidade de se disputar à tarde, com a partida às 15h30, a tentar fugir ao calor andaluz. Foi a minha terceira participação consecutiva nesta prova, de que gosto bastante, pese embora um ou outro detalhe que podiam ser melhorados.

A natação tem demasiado contacto e é sem fato. Atento o meu grupo de idade é-me sempre permitida a utilização do mesmo, o que se torna uma vantagem, tanto mais que, neste ano, a água não estava assim tão quente. O vento forte criava uma corrente estranha no rio, mas a coisa lá se completou sem grande novidade.


Gosto muito do segmento de ciclismo de Sevilha. Ondulado e exigente. Desta vez, muitíssimo exigente devido ao vento forte que soprava. Mesmo assim, consegui recuperar 100 posições desde a saída da água até ao início da corrida. Infelizmente, os meus pés ainda apresentavam escoriações do Half de Setúbal e, na tentativa dos proteger, perdi demasiado tempo na primeira transição.

A corrida final não foi grande coisa. Sei que não tenho treinado corrida o suficiente, devido a uma lesão no pé, mas, mesmo assim, contava ter feito melhor. Uma quebra nos últimos 6Km fizeram-me baixar o ritmo e perder algumas posições.

Tirei cerca de 1' ao tempo do ano passado. O que ganhei na natação piorei na corrida. O ciclismo foi bom considerando a dificuldade imposta pelo vento.

Posição 79 da geral com 4h55', em cerca de 700 atletas à partida. Desconheço como me posicionei no escalão, uma vez que o mesmo apenas considerava atletas andaluzes, já que a prova era Campeonato Andaluz de Longa Distância.

A seguir, no que ao Triatlo diz respeito, no início de Junho estaremos no Sabugal.

Foto: Rita Ramos




quinta-feira, 13 de abril de 2017

Supremo

Já tinha saudades da Specialized Transition
Supremo é a palavra que tenho para qualificar o I Triatlo Longo de Setúbal. Uma organização exemplar da HMS Sports que, desde da comunicação aos detalhes da competição, desde os abastecimentos à cerimónia de pódio, esteve perfeita e colocou a fasquia muita alta no que respeita a este tipo de eventos. Parabéns!

Uma semana após Quarteira e um dia depois do Torneio de Masters do Sport Algés e Dafundo em natação, lá estava eu à partida, num dia que parecia de encomenda. Sem expectativas por aí além. Apenas encaixar bem o primeiro longo da época.


A natação decorreu na praia de Albarquel. Nunca fui muito clarividente a analisar as condições do mar e esta vez não foi excepção. Parti da zona mais afastada da praia, eventualmente aquela onde a corrente mais se fazia sentir. De qualquer forma, assim fugi à confusão e consegui nadar quase sem contacto. Nadei confortável, para 37', que dadas as condições não foi, de todo, um mau registo.

Na parte inicial do segmento de ciclismo não tive boas sensações. Estava pouco fluído e desconfortável. Como se não bastasse, logo nas primeiras lombas da Av. Luísa Tody o suporte dos bidões de água desapertou-se e perdi um deles. O outro ficou posicionado de tal forma que, para o alcançar quase de tinha de fazer um número de circo em cima da bicicleta... Começávamos bem...

Só cerca do Km 45 consegui pedalar de forma confortável e andar qualquer coisa de jeito. Contudo, sempre preocupado com a hidratação, pois mesmo apanhando os abastecimentos da organização não tinha como os transportar. Antevia que esta falha se fosse reflectir na corrida final, mas eram estas as condições e era assim que teria das superar. Só pensava: - Antes agora do que no Ironman...

O segmento de ciclismo caminhava para o final. Com duas idas perto do Portinho da Arrábida, mais um retorno na Mitrena e outro no Alto da Guerra. Era exigente, mas a paisagem arrasadora!


Pódio montado junto ao Auditório Zeca Afonso
Pés no chão e transição para a corrida. Cometo então o erro do dia: olhei para as meias que tinha no saco de transição e pensei: - Nahhhh. Hoje não preciso disto! - E lá arranquei com um ritmo simpático, ali entre os 4'05"/Km e os 4'10"/Km.

Corria solto e confortável. Alimentava-me e hidratava-me e tudo parecia bem encaminhado. Mas lentamente começo a sentir algum incómodo nos pés, que minutos depois já era uma dor instalada. A água com que me refrescava fazia correr o sal da transpiração para os ténis... Parecia que tinha folha de lixa dentro de cada um deles. Ambos com feridas em vários locais. Mas agora era aguentar até final e não pensar muito no caso. O ritmo quebrava um pouco mas a metade da corrida estava cumprida. Estava quase!

As reservas ainda deram para uma discussão da chegada ao sprint e para terminar em 39º de 400 atletas, com o registo de 4h58'38", tendo sido 3º V3 e assim alcançado o meu primeiro pódio no escalão.

Agora, sarar as feridas e olhar para a Andaluzia. O Half de Sevilha é para a semana!

Fotos:
Unspotdesign Branding Desportivo
Paulo Lamego

terça-feira, 4 de abril de 2017

A estreia em V3

Domingo foi dia de iniciar a época de triatlo 2017. E num novo escalão - Veteranos 3, ou seja os jovens que no ano de 2017 completam entre 50 a 54 anos de idade.

Sem grandes expectativas competitivas a prova servia, apenas e só, para marcar o regresso à competição com as sensações tão próprias da modalidade, num dia primaveril de excelência.


O posicionamento que adoptei à partida não foi o melhor e, até à primeira bóia andei a nadar no meio da confusão, algo que, de todo, não aprecio. Logo que me consegui desenvencilhar da situação consegui impôr um bom ritmo - considerando o que é um bom ritmo para mim, e que deu cerca de 13'30" à saída dos 750m na água.

No ciclismo queria andar forte e ter alguém no grupo com quem pudesse partilhar o esforço, na expectativa de poder apanhar o grupo da frente. Infelizmente a malta do Triatlo não aborda esta estratégia da melhor forma, preferindo gastar cartuchos a fazer ataques híbridos, que em nada resultam, do que manter andamentos mais sólidos e constantes, colaborando a puxar à vez.

Posto isto, o segmento que mais me apoquentava. O calcâneo continua a dar trabalho pelo que tenho reduzido bastante o investimento na corrida. A coisa acabou por superar as minhas expectativas com um registo na casa dos 3'53"/Km. Nada de brilhante mas, atentas as circunstâncias, acabei por ficar satisfeito.

No final 110ª posição absoluta com um amargo 4º lugar no escalão V3, mas a quase 1' do pódio. Portanto, fora dessa discussão. Mas, o meu foco é no mês de Setembro e até lá ainda há 5 meses pela frente para potenciar o que tem de ser potenciado.

No Domingo estarei no Half de Setúbal depois de na véspera ir nadar no Torneio Master do Sport Algés e Dafundo.