quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Trabalho de equipa!

É aqui onde se nada... com a maré cheia
Não fazemos nada sozinhos! Cada vez mais as coisas dependem do trabalho de equipa e da confiança e cumplicidade entre os elementos dessa equipa. Foi assim comigo e com o Paulo Conde e isso permitiu-nos esta conquista.
Havia gostado tanto do Ironman Wales que, este ano, decidi voltar. Gosto do local, do ambiente e das pessoas. Gosto do local abrigado onde se nada, gosto do desafiante percurso de ciclismo e do exigente segmento de corrida.


Saundersfoot... Com 22%
O clima... bem... temos mesmo de falar sobre isso? O clima é britânico e, por isso, o tempo pode ser qualquer coisa. Desta vez, o dia de prova foi dia de temporal, com chuva e vento forte, a rondar os 50 Km/h. Um mimo para as rodas de perfil alto.

O dia começo cedou. Começa sempre cedo no Ironman. Cerca das 07h00, depois de cantado o hino galês na praia, com uma moldura humana impressionante, foi dada a partida. Mar calmo, água a bater nos 18ºC e sem chuva. Na segunda volta o mar ficou um pouco alteroso, mas sem dificuldades de maior. Havia partido na zona da 1h00. O segmento foi um pouco longo - 4.000m e acabei com cerca de 1h09.
A transição em Wales é longa. Tem 1Km de corrida, facto pelo qual é permitida a utilização de sapatilhas no mesmo. Cumprida a transição em 15 longos minutos lá me fiz à estrada, a encaixar o ritmo e a esconder-me do vento frontal que nos acompanharia nos primeiros 30Km.

Foi nessa altura, na zona costeira e desabrigada de Angle que começou a chover. Chuva essa que se manteve, quase em permanência, até final do segmento. Pelo meio o rompe pernas característico da região e a passagem em alguns troços de estreitas estradas rurais, com rajadas a surgir de entre as quebras entre muros. Épico!

Não vale a pena gastar energia a lutar contra o vento. Optei por adoptar um pedaleio tranquilo no limite superior da minha zona competitiva, na expectativa de chegar saudável para poder correr decentemente.

E assim acabou por acontecer. Rapidamente percebi que estava confortável a correr e apenas controlava o regime cardíaco nas zonas de subida, para não entrar em abusos. Ia em bom ritmo e ganhando posição atrás de posição. Aliás, acabaria por realizar a melhor corrida do meu escalão.


À entrada da última volta veio a informação: se mantivesse o ritmo a slot estava garantida e o pódio à espreita. E assim foi. Deu mesmo para abrandar nos 2Km finais, uma vez que as diferenças de tempo não davam azo a preocupações, tanto para a frente, como para trás.

Em suma, uma prova bem conseguida e um objectivo alcançado. Ou mesmo superado, porque, para além da dita slot, não é todos os dias que se consegue um pódio numa prova do circuito Ironman.





Registo final: 2º do Agegroup [50-54], 131º da Geral
  • Natação: 01:09:07 (27º do Escalão)
  • Ciclismo: 06:12:21 (7º do Escalão)
  • Corrida: 03:26:35 (1º do Escalão)
  • Final: 11:07:06 (2º do Escalão)
Não vivia com a obsessão de ganhar uma slot para o IM Hawaii. Mas, não nego que tinha o desejo de um dia o conseguir. Foi no Domingo passado, numa prova que gosto muito, com os meus amigos presentes, debaixo de difíceis condições. Estou contente!

Fotos do João Serôdio

  






3 comentários:

luis romao disse...

És um atleta de excelência Fernando.
Como diz o Jorge Jesus conseguiste por a cereja em cima do bolo com a slot.
Muitos parabéns !!!

Vitor Oliveira disse...

Parabéns, excelente resultado!

Hugo Gomes disse...

Parabéns Fernando.

Mesmo não sendo uma obsessão é um "brinde" por todo o trabalho realizado.

Um abraço!